Aqui nos atendimentos no consultório é algo comum de se ver. A pessoa que se prejudicou, seja através de um relacionamento íntimo, convívio familiar tóxico, ou até mesmo na vida profissional, tendo muita dedicação e poucos resultados.

 

Chega num ponto onde a pessoa vai se perdendo e as forças vão se dissipando dia após dia…

 

Se perdendo no sentido de realmente não conseguir mais visualizar saída para melhorar, e isso vai acontecendo aos poucos.

Essa sensação que talvez você também já tenha sentido, de não conseguir ver uma possibilidade para resolver o que está acontecendo na sua vida é construída tijolo após tijolo.

Vou dar alguns exemplos para você ver como isso acontece na prática:

 

1) Forças no relacionamento íntimo:

força

– toda vez que você se permite ser desrespeitado ou desrespeitar, que deixa de fazer o seu melhor autêntico para atingir um bom resultado, você perde um pouco de energia.

– toda vez que você nega a realidade do que está acontecendo, tentando diminuir o problema real para evitar desconforto em curto prazo, você perde um pouco de energia.

 

2) Forças no trabalho:

força

– toda vez que você engole mais um sapo para se manter recebendo aquele salário por medo de não conseguir criar situação melhor, você perde um pouco de energia.

– toda vez que você finge se ajustar ao senso coletivo de um ambiente que não te faz bem para ‘sobreviver’, você perde um pouco de energia.

 

3) Forças na família

força

– toda vez que você escuta coisas negativas sobre si próprio que não são reais e não fazem sentido, engole seco com mágoa e fica pensando sobre aquilo, você perde um pouco de energia.

 

Tenho um vídeo complementar no youtube que comenta um pouco sobre relacionamento, trabalho e dinheiro, caso queiram conferir depois.

Os exemplos são infinitos, mas creio que tenha dado para você entender.

Toda vez que você não for autêntico, que for contra a sua própria saúde e essência no sentido equilibrado e próspero, você estará construindo a situação de se ver sem forças, com dificuldade de seguir em frente.

Já vou deixar claro para que não haja erro de interpretação. Ser autêntico não é ser escroto, falar tudo o que vier em mente e se posicionar de qualquer forma e blá blá blá. Ok?

Quer um exemplo do que é ser autêntico?

Vamos lá….

Você não gosta de desrespeito. Através das suas experiências, concluiu que todas as vezes que foi desrespeitoso com alguém o resultado direto ou indireto daquela ação foi negativa para você e/ou para os outros.

Aí… bem simples, você começa a namorar e conclui que nessa relação você não vai aceitar desrespeito, justamente para ela ser edificante e próspera. Criará novas formas de lidar com os conflitos que surgirem.

Mas, depois de uns meses, seu namorado ou namorada entra em uma situação, começa a discutir com você e te desrespeitar. Nesse exato ponto, você pode conscientemente escolher não aceitar aquilo. E você não precisa terminar com a pessoa para isso. Você pode, por exemplo, falar:

 

“Opa! Para aí… isso aí não vai funcionar porque eu não aceito isso. Vamos resolver de outro jeito.”

 

É claro que nenhum desequilíbrio é resolvido através de uma única fala isolada, mas é preciso iniciar um movimento que funcione, entende?

Ou… você pode escolher o caminho da perda de energia e dificuldade de resolver as coisas.

Como? No mesmo conflito do exemplo, pensando assim:

“Hmmmmm… vou ficar quieta… porque é melhor. Vai que a gente briga e termina.”
“Aí! É o jeito dele… ele vai melhorar!”

E por aí vai.

 

Entende a diferença?

 

Quando você tem conhecimento sobre o que não funciona é preciso se posicionar diante dessas coisas para o seu próprio bem e também daqueles que você ama.

Por isso que quando falamos nessa trava, de dificuldade de criar soluções para as situações da sua vida, o ponta pé inicial é voltar o filme e visualizar aonde você está deixando sua energia, libido, criatividade, estima e etc. serem drenados.

Você pausando boa parte desses padrões de ações negativos, inevitavelmente se sentirá mais forte em curto prazo. Sua saúde melhorará e sua capacidade criativa para resolver problemas e criar uma realidade próspera aumentará.

É assim nos atendimentos psicoterapêuticos aqui no consultório, onde uso da abordagem Gestalt-terapia com ênfase em fenomenologia.

Todo tijolo a mais que o consulente consegue por, aumenta sua capacidade de curar uma doença, melhorar o relacionamento íntimo, conviver melhor com os pais, aprender a ganhar mais dinheiro, se realizar profissionalmente e etc.

Agora, obviamente não é algo que se constrói do dia para noite.

Você precisa parar e dar prioridade à pensar e resolver essas questões subjetivas e emocionais.

 

E aí entra o divisor de águas:

Você está realmente disposto(a) a fazer para recuperar as forças?
Você encararia uma psicoterapia pela sua própria qualidade de vida?
E daqueles que você ama?

 

Com mais de 10 anos de atuação clínica, ainda não conheci um caso adulto de pessoa independente que resolvesse seus problemas apenas reclamando ou dando desculpas sem força de vontade.

Se um dia conhecer, relatarei aqui.

Julio Furlaneto
Psicólogo
CRP 14/05550-0